História da Geladeira

Apesar da existência há milênios de depósitos de gelo ( Casa de gelo, porões revestidos de madeira e palha, etc ) para servirem de fonte de gelo no verão, o primeiro refrigerador doméstico comum surgiu nos últimos anos do século XIX, na forma de caixas de gelo.

Quando o gelo derretia, ele era substituído por gelo comprado nos depósitos comerciais.
 
Jacob Perkins (09/07/1766 - 30/07/1849) foi um inventor e físico americano, que também trabalhou como aprendiz de ourives. Inventor de peças mecânicas que o tornaram famoso, em 1818 partiu para a Inglaterra com a idéia de fazer moldes em aço para imprimir papel moeda, o que provou ser um sucesso. Sua principal contribuição à física foram seus experimentos científicos que provaram a compressibilidade da água.
 
A importância dessa descoberta advém do fato de que a refrigeração atual funciona primariamente a partir do princípio da compressibilidade de um liquido. Isto é, quando um líquido é rapidamente vaporizado (através de sua compressão), o vapor, que rapidamente se expande, necessita de energia (cinética, ou, para seu movimento). Ele retira essa energia do local mais próximo, que perde energia, e fica mais frio.
 
O primeiro refrigerador artificial conhecido foi demonstrado por Willian Cullen (15/04/1710 - 05/02/1790), um médico, químico e físico escocês, na universidade de Glasgow, em 1748. Apesar de seu único artigo publicado "Do frio produzido por fluidos que evaporam, e de alguns outros meios de produzir frio", ele não aproveitou seus achados para nenhum uso prático.
 
Em 1805, Oliver Evans (13/09/1755 - 15/04/1819), um inventor americano, projetou a primeira máquina de refrigeração movida a vapor, mas nunca construiu uma. Seu projeto foi modificado e, também usando o princípio da compressão do vapor, construído por Jacob Perkins em 1834 ( Perkins obteve a primeira patente de uma máquina de refrigeração nesse ano ).
 
John Gorrie (19/03/1802 - 29/06/1855) médico americano, cientista, inventor e humanitário, passou sua vida tentando melhorar as condições de vida de seus pacientes. Em 1833, se mudou para a Flórida, uma cidade portuária na costa do Golfo do México, onde era médico residente em 02 hospitais. Estudava as doenças tropicais (especialmente a febre amarela) e sem conhecimento de microbiologia, advogava o aterramento de pântanos e uso de redes à noite. Pregava o esfriamento dos quartos hospitalares para reduzir a febre e deixar os pacientes mais confortáveis. Para isso, usava gelo em uma bacia suspensa no teto (aproveitando que o ar é gelado é mais pesado e descia aos pacientes até uma abertura próxima do chão). Como o gelo precisava ser trazido de barco dos lagos congelados do norte, e armazenados com serragem, Gorrie construiu em 1844 um refrigerador baseado nos projetos de Oliver Evans. Ele é considerado o pai do ar-condicionado. Em 1845, desistiu da prática médica para continuar seus projetos de refrigeração. Seu modelo original está até hoje no Instituto Smithsoniano.
 
O primeiro refrigerador doméstico aparentemente foi produzido em 1913 por Fred W. Wolf Junior em Chicago, chamado Domelre ( Domestic Eletric Refrigerator). Não foi um sucesso comercial, ao contrario da companhia Kelvinator, formada em maio de 1916. Os refrigeradores Kelvinator, como seus descendentes modernos, resfriavam usando uma bomba de calor de fase alternada.
 
Só em 1925 foram fabricados os primeiros refrigeradores que continham numa mesma unidade a caixa de resfriamento e o motor, compressor e condensador (trio que antes existia separado, ao lado ou embaixo da geladeira.
 
O primeiro refrigerador a ter sucesso mundial foi um modelo da General Eletric (Monitor-Top) de 1927.
 
Mais de um milhão de unidades foram produzidas, muitas ainda funcionando atualmente. Essa geladeira usava dióxido de enxofre como refrigerante.
 
Geladeiras no final dos anos 1800 até 1929 usavam gases tóxicos como refrigerantes. Exemplos eram a amônia (NH3), cloreto de metila (CH3CL), e dióxido de enxofre (SO2). Vários acidentes fatais ocorreram na década de 20 com o cloreto de metila que vazava das geladeiras. A indústria da refrigeração se uniu para produzir um gás mais seguro.
 
Em 1928 um engenheiro americano, Thomas Midgley (18/05/1889 - 02/11/1944) desenvolveu os clorofluorcarbono (CFCs) como substituto para os gases tóxicos. Ele produziu, especificamente, o freon (CCL2F2), que, por sem atóxico e não inflamável, foi usado também como propelente em aerossóis, e agente expansor para plásticos expansíveis, como o isopor. A partir de 1931 a DuPont® passou a produzir quantidades comercialmente viáveis de Freon, e em poucos anos ele se tornou o gás refrigerante padrão para todas as geladeiras no mundo.
 
Tragicamente, apenas em 1973, os químicos americanos Frank Sherwood Rowland e Mario Molina, perceberam o efeito danoso dos CFCs à camada de ozônio do planeta. Baseado nesse fato, em 01/01/1989 foi efetivado o Protocolo de Montreal, que proibiu os grandes países de produzirem CFCs, e que o resto do planeta suspenderia a produção total de CFCs até 2010.
 
 
Geladeira Retro ou Vintage?

 

Hoje em dia é muito falado em Retro & Vintage, para você entender a diferença segue abaixo uma rápida definição:

  • Vintage é o termo utilizado para peças com mais de 20 anos de antiguidade e que estão  em perfeito estado. 
  • Já o Retro ou Retrô é inspirado em objetos antigos; na tendência, estilo, cores, mas são peças novas, portanto são releituras de objetos antigos.  

Se você tem em mente em decorar seu Espaço Gourmet, Cozinha ou outro ambiente de alimentação remetendo á uma época antiga, entre em contato conosco, pois possuímos um grande estoque de geladeiras a serem restauradas.
 Nesse caso faremos a pintura com a cor que você desejar para melhor se encaixar na sua decoração.

Clique aqui para ter acesso ao nosso estoque.

Telefone: 11 3034-4865
contato@geladeirasantigas.com.br

 WhatsApp - 11 942994236

Geladeiras Antigas® - Todos os direitos reservados